quinta-feira, junho 30, 2005

Arsénio Duarte - O Humilde

Junto à muralha, no Barreiro, estendia-se um vasto areal. Arsenio Duarte um rapazinho franzino e muito humilde, corria pelas praias,transformando em euforia os seus sonhos de criança inocente.
Arsénio veio de uma familia muito pobre, vestia quase sempre trapos ou roupas usadas que davam aos seus pais, e por muitas vezes passou fome, comendo apenas pão ou uma sardinha que éra dividida por toda a familia. Naquela época as familias laboravam em fábricas, e o dinheiro éra parco. As crianças divertiam-se na praia jogando á bola, e no meio deles, Arsénio destacava-se, com o seu jeito traquinas, o talento, e a forma mágica como tratava a bola, era conheçido por Pinga, pois esse éra o seu idolo.


Arsénio não éra o prototipo de criança que sonhava ser jogador de futebol, muito pelo contrário, ele gostava éra de cinema, mas como na época não havia dinheiro para tais mordomias ele entretinha-se a jogar futebol e jogava como ninguém, por isso mesmo o seu talento não podia continuar a desperdiçar-se naqueles campos improvisados de areia suja, com pedrinhas servindo de balizas. Assim por impulso de amigos que sabiam que ali podia estar a nova estrela do futebol Português, foi testar qualidades ao Barreirense e deslumbrou quem assistiu á pequena demonstração.
Pouco tempo depois, na festa de despedida de Francisco Câmara, lançaram-no na equipa de honra, em desafio contra o Sporting. “Ainda não tinha 16 anos e quem me marcou foi o Aníbal Paciência. Ao princípio estava um pouco enervado, mas, depois, acalmei-me e perdi o “respeito” ao valoroso jogador do Sporting.”


Depois do fantástico espectaculo de belo futebol, não saiu mais da equipa, foi campeão nacional da II Divisão. O Barreirense bateu a Sanjoanense, por 6-1, nas Amoreiras e os técnicos do Benfica ficaram de olho bem aberto em Arsénio. Foi nessa altura, que Arsénio e Moreira, decidiram mostrar as suas capacidades no Vitória de Setúbal, por sua conta e risco, mas só lá foram uma vez, pois o Benfica já há muito andava interessado em Arsénio, por isso o clube da Luz enviou emissarios ofereçer-lhes o sonho que tantas vezes lhes aqueceu as ilusões.
Bastou um treino para que Janos Biri ficasse entusiasmado com Arsénio, de tal modo que lhe pediram logo que assinasse o contrato, recebendo por isso seis contos, ficando, igualmente, a ganhar 750 escudos por mês, o que naquela época correspondia ao ordenado dos craques…
Por essa altura era já aprendiz de serralheiro, na CUF, pois a vida éra complicada na época para se fiar apenas em ser futebolista. A paixão do futebol, mais que o dinheiro que, então ganhava, suavizava-lhe os sacrifícios. Para poder apanhar o barco das 5 da manhã, Arsénio levantava-se três vezes por semana de madrugada. No cacilheiro encontrava-se com os demais futebolistas da terra que vinham para Lisboa, para treinarem todos juntos,no Benfica: Moreira, Corona, Félix, Rogério Contreiras, Rogério Fontes e José Luís; a caminho do Campo Grande, Azevedo, Armando Ferreira e Soeiro; para as Salésias, Quaresma e Salvador.


Arsénio treinava e regressava, rápido, ao Barreiro para trabalhar na serralharia da CUF. Apesar de se ter tornado um idolo, nunca deixou de ser humilde e de ter os pés bem assentes na terra, sabia que a carreira de futebolista éra efémera e que precisava de um emprego para sustentar a si e á sua familia, por isso mesmo jogando no Benfica nunca deixou de trabalhar como serreiro. Foi assim anos a fio, mas nem isso lhe entenebreceu o ânimo ou ofuscou o brilho.
Arsénio tinha nascido para ser assim….um lutador…..

Defeso: Quadra do ano em que é proibido caçar

Pois bem, quem inventou este termo para a época do ano em que as competições de futebol param, estava totalmente equivocado ou alheado da realidade. Senão vejamos, o defeso, ou a proibição de caçar, é um termo que não se coaduna com todas as movimentações efectuadas até ao do final das competições por parte dos clubes, dos empresários, dos próprios jogadores e acima de tudo dos jornais. Pelo contrário, a época de eleição para “caçar” talentos, contratos, comissões e acima de tudo vendas, é esta, em que os estádios estão vazios, a arbitragem operacional não é polémica, não há jogadores castigados, não há métodos de treino, conferências de imprensa e empolamento de tudo o que mexe, ao invés, está o público mais relaxado e os jornais têm de conseguir atrair a atenção dos adeptos e leitores, nem que seja para isso a venda da banha da cobra, gato por lebre ou mosquitos por cordas. Obviamente que as movimentações dos clubes para tentarem negociar a contratação de jogadores com vista à preparação da época que se avizinha, tendo em linha de conta os objectivos traçados por cada um, é legitima, ao mesmo tempo que deverá ser privada, secreta e muitas vezes dissimulada com o intuito de fazer os melhores negócios, pois o seu sucesso dependerá muito disso, tal como diz o ditado. Não é o segredo nas negociações que fazem com que os jogadores rendam mais ou venham a verificar-se fundamentais para as equipas, mas do envolvimento criado e pretendido pelas partes interessadas no negócio depende o sucesso do mesmo. Todos os dias assistimos a uma panóplia de acontecimentos. Todos os dias assistimos a um trabalho árduo por parte de dirigentes a esticar orçamentos, a esticar as viagens de prospecção de mercado, a esticar os laços de amizade para ganhar reforços para as suas equipas (oriundos das dispensas dos adversários de toda a época), a prometerem mundos e fundos aos sócios, a pedirem mundos e fundos pelos seus jogadores, enfim, ao mesmo tempo que estão no mercado à procura do melhor ao melhor preço, estão no mercado para tentar vender o pior ou o dispensável ao melhor preço também. Para além dos dirigentes temos outro tipo de caçadores, os empresários ou fundos de investimentos. Ora, estas entidades são aquelas que representam e negoceiam os passes dos jogadores, e com as desculpas de que os andam a representar e só querem o melhor para eles, enchem os bolsos da maneira mais fácil possível. Lançam nomes para os jornais, especulam sobre ofertas pelos jogadores, aumentam ou tentam aumentar a concorrência e a especulação à volta dos mesmos e intrometem-se no negócio de outros empresários iniciando guerras impróprias e que em nada beneficia o futebol. Em suma, andam de lado em lado a tentar impingir os jogadores que representam, ou inclusive outros, para dessa forma arrecadar os milhões que os permitem andar de carros de luxo e até de avião particular, embora sendo os menos produtivos no seio do fenómeno futebol. Para além deste tipo de vendedores (profissão com mais procura no “Portugal – país de serviços s.g.p.s” dos últimos anos, e que a meu ver são responsáveis por muito do mal do futebol contemporâneo) existem os jogadores, responsáveis pela parte produtiva do jogo, dos quais dependem os resultados e êxitos do clube que representam, e sem os quais o jogo, os treinadores, as direcções, os clubes, as cidades e os países não podem ser noticia pelos seus feitos futebolísticos. Ora, este tipo de interveniente neste fenómeno “defeso” é cada vez menos importante, havendo sempre excepções: O jogador nunca descarta a possibilidade de ingressar noutro clube e está sempre aberto a uma nova proposta desde que “seja vantajoso para ele e para o clube” (e já agora para o empresário, para o fundo de investimento, para o treinador que não prescinde que e o acompanhe, para o cão, para o gato, etc.). A diferença entre estes jogadores e os jogadores, é que os últimos não precisam de fazer campanha, nem utilizar operações de charme para conseguir contratos adequados e muito menos vir para o jornal dizer que gostava imenso de representar este ou aquele clube, e que o conhece muito bem, que seria um orgulho vestir a sua camisola, entre outras barbaridades tão “escovadas” que até chegam a ser desprestigiantes para quem as profere. Felizmente é o caso só de alguns. Por fim, chega a vez dos jornais da especialidade, ou não. Estes, a par dos empresários, vivem das aventuras e desventuras de todos os outros, subsistem à custa de notícias claras, obscuras, falsas, verdadeiras, inventadas e escalpelizadas de terceiros. Têm só o trabalho de escrevê-las, fazer a impressão, distribuir, esperar que outros as vendam e recolher os lucros. Este agente futebolístico pactua com todos, ao mesmo tempo que não se preocupa se desmente hoje uma notícia que publicou como verdadeira no dia anterior, já que o lucro advém de tiragens diárias. Têm é de vender as suas notícias e escolher as manchetes de forma a provocar o maior impacto no leitor para, atingido o lucro em pouco mais dos 10-15 segundos que demora a venda do jornal, defraudar o leitor com repetidas crónicas de enviados especiais, julgados sabedores de tudo o que se passa nos bastidores das negociações e das movimentações nas frentes de negócio. Pois bem, poderão dizer-me que disso vive a imprensa desportiva em Portugal e no resto do mundo, e que eu sou descrente relativamente a ela, o que não é verdade. Os jornais muitas vezes trazem muitas coisas de bom ao conhecimento público, mas equacionando todos os factores, eu não sei para onde pende a balança. O que eu acho realmente grave no que diz respeito à imprensa, é que não se limitem a publicar notícias, mas sim, a tomar partido de alguém e a tentar denegrir outros.
Posto isto, vou dar alguns exemplos sumários do que estive a escrever. Começando pelos dirigentes, e no que concerne a compras e vendas, o FCP estica a corda para valores nunca antes vistos no clube, para tentar trazer um lateral direito a pedido do treinador e comprar um jogador de 17 anos é um risco muito grande, quase tão grande quanto o valor da transferência. O mesmo acontece com os clubes de menor capacidade de negociação. Não acontece, ou não tem acontecido com o Sporting, que até agora pautou o seu “defeso” por alguma contenção nas compras, apelando sempre para a aposta nas camadas jovens, para a troca de jogadores e maioritariamente a actuar em Portugal. Vamos ver as próximas movimentações. O Benfica, que contratou poucos jogadores, aposta mais em comprar os passes de jogadores que estavam no clube e por mantê-los no seu plantel. Embora as garantias de pagamento ao fisco tenham sido feitas com acções da SAD benfiquista, o que é certo é que ninguém sabe dos valores das transferências de nenhum jogador benfiquista: Simão, Luisão, Nuno Assis, Geovanni, Karyaka, etc. etc. etc.
Relativamente aos empresários, estes tentam fazer o seu trabalho fácil, e só precisam de apanhar uma direcção mais distraída para ter sucesso. Aquilo que se passou com anderson foi de bradar aos céus! Até agora ninguém falava do jogador e de um momento para o outro já havia interesse dos três grande clubes portugueses. Até que ponto isto é verdade eu não sei, e longe de mim pensar em fazer considerações sobre o valor do jogador, mas a pressa com que foi publicada a transferência do passe do jogador para o empresário, seguida da viagem relâmpago para o negociar em Portugal, faz-me pensar que o empresário soube do interesse de algum clube, e sem tempo a perder, foi lá com dinheiro necessário para poder ser ele a negociá-lo e ganhar a sua parte. Ainda com o mesmo empresário, têm vindo notícias publicadas sobre a tentativa de pressionar o clube que Cristiano Ronaldo representa actualmente, com a oferta a outro clube. O fundo de investimento que quer levar o Liedson para o Brasil…Recorde-se que, a maior projecção deste tipo de movimentação teve o seu apogeu com a transferência de Luís Figo para o Real Madrid. Isto é corrente acontecer, Hugo Viana para o Newcastle é outro exemplo, enfim, é um sem número de situações similares que só prejudicam os clubes e em muitos casos os jogadores.
Passando agora para os jogadores, muitos são aqueles que dão entrevistas a falarem das suas situações actuais, em situações futuras, sempre com a calma e com o sol e as férias em pano de fundo, e não é para esse a minha critica. A minha critica é para jogadores como Cicinho, Dédé, Ewerthon, Kléberson e tantos outros que tentam “lançar o barro à parede” dizendo que seria um orgulho em representar este ou aquele clube, para tentar que as direcções dos clubes se enterneçam à volta desta devoção desde pequenos. São tantos os jogadores que dizem que querem ficar nos clubes, como aqueles que só querem mudar de ares quase à força. Eu sei que a carreira de um jogador é mais efémera do que a maior parte das outras, mas em alguns casos é gritante a falta de senso, a desonestidade e o descrédito de alguns jogadores.
Finalmente os jornais. Transporte de toda a informação disponível, falam de tudo sem saber de nada na maioria das vezes nesta época do ano. O que hoje é verdade amanhã é mentira seja qual for o assunto tratado. As novelas que estes órgãos de comunicação social encetam fazem corar qualquer dramaturgo. Assim sendo, e não olhando eu nem sequer para as manchetes do jornal “record”, argumento com as novelas de “a bola” relativamente aos três grandes. Este jornal estabeleceu a novela McCarthy para o FCP, Liedson para o Sporting e o jogador-mundialmente-conhecido-de-fino-recorte-técnico-e-qualidade-inigualável-que-esperava-ansiosamente-um-convite-do-Benfica, para este clube, obviamente. Se no primeiro caso, ao que eu penso, não há condições para o jogador continuar no FCP, pelo que o objectivo, a ser esse, foi plenamente conseguido, e através das notícias do empresário e do jogador, até me pareceu que a divisão do valor da transferência, falada em 6 milhões de euros a dividir por vários elementos, tinha subitamente ganho mais um pretendente. Este caso explica bem tudo o que disse atrás, com a excepção aos dirigentes. Outra novela, desta vez para o Sporting, foi a de Liedson e Enarkahire. Houve até um dia em que disseram que o defesa já tinha assinado pelo Dínamo de Moscovo. O avançado Liedson até já tinha tudo acertado com o Corinthians e já se falava em compensações de jogadores para o plantel leonino. È certo que estas notícias para já são mentira até porque os jogadores já se apresentaram e já trabalham em Alvalade, mas tenho de realçar também que a primeira notícia do defeso, foi uma que já é crónica, e que é a transferência de Beto para Espanha. Sem dúvida, isto dá que pensar. Para o Sporting também, foi reatada a novela Ricardo, que logo após o término do campeonato era dado como certo em Inglaterra e logo a seguir em Espanha. Até fico a pensar que os jornais têm percentagens nos passes dos jogadores. Para acabar com o ataque aos jornais, só falta o Benfica, em que o clube merece destaque em tudo quanto é sitio, até reportagens e fotografias alongadas desmesuradamente do seu presidente em Cabo Verde. Mas isso até nem chateia muito, o que chateia mais é a necessidade que o jornal tem em pôr jogadores com créditos provados no plantel do Benfica, assim como tirar outros jogadores do plantel a preços impraticáveis, atendendo ao valor real dos jogadores. Ricardo Rocha, Luisão, Fyssas e principalmente Karadas são a prova disso, a que se junta Kezman nas tentativas de contratações. Não sei se é prejudicar ou beneficiar os clubes em questão, mas no mínimo, mesmo no mínimo, há uma dualidade de critérios no tratamento.
Aproveito para deixar aqui um comentário sobre a última entrevista do seleccionador nacional, em que disse que assistiu a mais de 10 jogos no estádio do Dragão e que quem começou a “guerra” com o FCP foi o clube. Pois bem, se esteve do estádio do Dragão tantas vezes, nunca nenhum jornal o referenciou ou quem quer que seja, pois presumo que a única vez que lá esteve foi no jogo inaugural do Euro 2004. Ou então esteve lá sem bigode. A guerra com o FCP foi a federação que começou, e sendo ele pago principescamente por ela, é natural que defenda o seu tacho. Quem é que convocou o Bruno Vale quando a celeuma era o Vítor Baía? Quem é que não chamava o Ricardo Carvalho e depois o utilizou como titular até à final a partir do 1º jogo do Euro? Quem é que preteriu do Nuno Valente para retomar o Rui Jorge, voltando depois a desfazer a tentativa? Quem é que teve dúvidas em inserir Deco e Maniche na equipa e que depois não pôde retirá-los? Estas coincidências deixam de o ser a partir do momento em que foi assumida uma colisão com o clube, e não foi assumida só nesta entrevista.

E Deu Samba, Na Verdade Foi Um Belo Show de Samba

Com certeza foi a melhor atuação do Brasil nesta copa das confedereções, o placar de 4 x 1 traduz um pouco do futebol demostrado pela equipe brasileira.
Apesar da tatica de sufoco adotada pela seleção Argentina no inicio do jogo, o Brasil em duas subidas ao ataque, abriu o marcados com um golaço de Adriano,aos 11 minutos e depois aumentou a diferença com outro belo gol, dessa vez de Kaká, aos 16 minutos.


A Argentina ainda teve duas boas chances de marcar antes do Brasil fazer o segundo gol, mas ambas foram desperdiçadas.
Depois, do segundo gol, o Brasil passou a jogar nos contra - ataques e investindo nas aberturas dos laterais. Já a Argentina confiava a Sorin a missão de puxar seus ataques, mas foi bem marcado pela defesa brasileira.
No segundo tempo, logo aos 2 minutos de jogo, depois de bela jogada de Cicinho que levantou para Ronaldinho Gaucho e marcou o terceiro gol.


Dominando totalmente a partida o Brasil marcou o quarto gol aos 18 minutos, numa jogada belissima que passou por grande parte dos jogadores brasileiros, uma troca de passes como não se via a muito tempo, até chegar aos pés de Cicinho que levantou para Adriano fazer 4 x 0 para o Brasil. Depois de dois minutos os argentinos marcaram o gol de honra com uma cabeçada de Aimar. Ainda tentaram, mas já estava definida a vitoria brasileira, num show de bola ao estilop penta campeão e mostrando ser um dos grandes favoritos ao titulo mundial.


O elenco brasileiro em geral jogou bem, dando destaque a Cicinho, Lúcio e Adriano.
Cicinho agora joga com liberdade para fazer o que mais sabe, que é apoiar o ataque, sendo, quase certa sua convocação para a copa, depois dessas ultimas apresentações.
Lúcio foi um guerreiro, marcou bem se movimentou muito bem e fez tudo que podia fazer como zagueiro e ainda deu algum apoio ao ataque, embora seja meio perigosas essas subidas dele ao ataque.


Já Adriano, nos ultimos jogos me fez calar a boca, jogou muito bem e fez o principal: gols, sendo o Artilheiro da competição, com 5 gols e foi considerado o melhor jogador da copa das confederações, sendo Riquelme da Argentina o segundo e Ballack o terceiro.


E na comemoração brasileira, muito samba por parte dos atletas brasileiros, levaram os estrumentos e fizeram do campo um mini-carnaval.
Vamos ver com a volta do Ronaldo como vai ficar a seleção, se quem vai sair é o Adriano ou o Robinho ou ainda nenhum dos dois.

quarta-feira, junho 29, 2005

Passo em frente. Será desta?



A FPF vai apresentar, para discussão e votação, na Assembleia Geral de amanhã, uma proposta de alteração dos quadros competitivos da Segunda Divisão "B" e da Terceira Divisão.

Segundo Gilberto Madail, estão reunidas as condições para que a reestruturação seja aprovada, a ver vamos.

Destaques:
- Redução das equipas participantes em cada Divisão.

- Criação de parâmetros de participação, através de um Manual de Licenciamento de Clubes, adaptado do existente para as competições Europeias.

- Nova denominação para a Segunda Divisão B, tornando-se Campeonato Nacional da II Divisão.

- Distribuição das equipas da Madeira e dos Açores pelas novas Series da nova II Divisão.
As da Madeira nas duas divisões do Norte/Centro e as dos Açores nas duas divisões do Centro/Sul. (A distribuiçao dos clubes das ilhas pelas zonas nortenhas já acontece nos campeonatos de Juniores e Juvenis).

- Criação de uma nova série na III Divisão, a série Madeira e reformulaçao da série Açores, sendo atribuidas as letras G e H (Serie G - ex-Serie Açores e Serie H (Serie Madeira)).

- Extinsão das equipas B, em termos de participação nos novos campeonatos da Federação.

Por decidir estão ainda o número de series da Segunda Divisão B ( 3 ou 4 Series) e o número de clubes, para a temporada de 2005/2006 (a que vamos iniciar).

No final e após as reduções anuais, dos novíssimos campeonatos a "extrear" na época de 2007/2008 teremos:

- Campeonato Nacional II Divisão com 4 Series de 12 clubes cada, subindo 3 equipas á Liga de Honra, (e aqui fica a dúvida, se são 4 series como sobem só 3? Não está especificada esta questão), descendo á III Divisão, 3 clubes de cada serie + 2 numa liguilha com os 4 clubes classificados na 9ª posição de cada serie.

- Campeonato Nacional III Divisão com 8 Series de 12 clubes cada, subindo os dois primeiros de cada uma das 6 series do continente e apenas o vencedor das series da Madeira e dos Açores.

- Da Distrital subirão os respectivos vencedores, como já vem acontecendo.

Acho espectacular estas medidas que veem ao encontro do que a UEFA pretende, ou seja, proporcionar um maior envolvimento dos jogadores de formação e evitar que os clubes vivam acima das suas possibilidades financeiras.

Tendo em conta que as equipas terão de ter, obrigatóriamente, escalões de formação, escusado será dizer que muitas das equipas que conhecemos vão "desaparecer" (distrital ou extinsão), mesmo aquelas que teem um grande passado ou que estamos habituados a ver em divisões superiores ano após ano.

Para lerem o relatorio na sua totalidade, ou tirarem duvidas, podem clicar aqui onde diz:
RELATORIO COMPLETO FPF

Da minha parte uma salva de palmas ao Sr. Presidente Gilberto Madail, mas somente se for avante esta ideia.

...Venham mais 5


Académica está muito perto de contratar de um lateral-direito. Segundo disse Nelo Vingada à Agência Lusa, o brasileiro Pedro, do Internacional de Porto Alegre, está perto de se tornar reforço, podendo assim tornar-se a quinta aquisição do clube para a nova época, ao lado de Fernando (ex-Moreirense), Hugo Alcântara (ex-V. Setúbal), Bruno Reis (ex-Maccabi Telavive), e Gelson (ex-Malmo).

O treinador adiantou que faltam apenas limar algumas arestas para o acordo ser completo. Pedro, de 24 anos, tem 1,79 metros e pesa 77 kg. Na última temporada brasileira o atleta fez apenas cinco jogos pelo Internacional, sendo que antes disso já tinha passado pelo Palmeiras entre 2001 e 2003, pelo Figueirense em 2003 e pelo Vitória em 2004. Na Académica Pedro vai fazer concorrência a Nuno Luís, que na última época foi dono e senhor da posição.

48 Horas de Terror!

E começou hoje as 48 horas de terror entre Brasil e Argentina! Em 48 horas Brasil e Argentina se enfrentam 3 vezes e em 3 jogos de vida ou morte, pelo mundial sub-20, pela copa libertadores da america e pela capa das confederações.


E começou com 1 x 0 para a Argentina, A seleção Argentina vençeu por 2 x 1, a seleção Brasileira pelo mundial sub-20 nas semifinais, a Argentina saiu na frente, com o golo de Messi, aos 7 minutos do primeiro tempo, o Brasil só empatou aos 30 minutos do segundo tempo, com o golo de Renato, mas durante os descontos, na marca de 48 minutos o Brasil foi castigado com o golo de Zabeleta decretando a derrota brasileira, E a Argentina disputa a final contra a Nigéria que vençeu a seleção de Marrocos por 3 x 0.


O proximo confronto vai ser a decisão da copa das confederações, esse é a primeira vez que Brasil e Argentina se enfrentam numa decisão de um torneio realizado pela FIFA.
Temos nesse jogo a chance de mostrar que esta seleção esta pronta para encarar uma copa do mundo, enfrentando numa final nossos eternos rivais, o time ainda tem um sério problema na defesa, realmente com o Roque Jr já é motivo suficiente para se ter problemas, e na minha opinião (contrariando alguns colegas do blog) outro problema na frente, que é a presença do Adriano, embora tenha feito uma optima partida contra a Alemanha, não vejo nele um jogador que pode estar num mundial, fora estes dois nomes que cito, ainda se tem um problema de movimentação na zaga e dos laterais, mas isto pode ser corrigido com o tempo, amanha veremos um grande jogo entre 2 das selecções favoritas ao titulo mundial, e sinceramente aposto numa vitoria do Brasil, digo um 2 x 1, só pra valer o bolão.


E o ultimo confronto é São Paulo vs River Plate, pelo segundo jogo das semifinais, o São Paulo venceu o primeiro confronto por 2 x 0, o São Paulo joga sem 3 de seus principais nomes, Cicinho esta na seleção principal e o Diego Tardelli esta na sub - 20, já o Grafite esta contundido.


O River acredita na vitoria e conta com o capitão do time Marcelo Gallardo, mas tambem acredito na classificação do São Paulo e deveremos ter uma final brasileira na libertadores, já que o Atletico - PA vai com uma larga ventagem de 3 x 0, decidir com Chivas lá no méxico, que deve contar com os jogadores que estavam na seleção.

terça-feira, junho 28, 2005

Noticias do Manchester United 28-06-05

28-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Carlos Queiróz em pleno Algarve efectuou uma entrevista exclusiva para o jornal A Bola

O treinador adjunto do nosso clube aceitou realizar uma entrevista exclusiva para o jornal desportivo A Bola, logo após uma minuciosa inspecção ao complexo de luxo onde o clube está instalado em Vale de Lobo. O MUP transcreve nesta notícia a entrevista por completo para todos os fãs:

- O que se pretende com estes dias no Algarve?
- Temos vários objectivos. Fazer uma plataforma de introdução ao trabalho de desenvolvimento progressivo, que normalmente se faz no princípio de época, juntar a família que vai sofrer e também rir ao longo de toda a época e conviver como um todo; os jogadores, o staff, as mulheres, os filhos, num ambiente agradável de trabalho mas também familiar e afectivo.

- Não é comum juntar jogadores, treinadores e as respectivas famílias...
- No fundo, pretendemos construir, desde já, as bases para uma época que se adivinha dura mas tremendamente aliciante. Pensamos que esta é a melhor forma de começar e ficarmos preparados para evitar um início tão mau como na época passada.

- É duro ficar sem quase todo o plantel durante o tempo em que os jogadores estão com as selecções?
- Apesar de tudo, é um problema agradável. Orgulha-nos muito que isso aconteça porque sabemos que é o sinal de que as escolhas que fazemos são boas. Mas levanta também outros problemas: veja-se que na época passada tivemos uma jornada daquelas mais prolongadas em que só tivemos três jogadores ao nosso dispor. No fundo, o problema é que continua a não existir alguma racionalidade, coerência e harmonia entre os compromissos das selecções e dos clubes, principalmente aqueles com maiores responsabilidades ao nível dos resultados, como Manchester United, Real Madrid, Chelsea, Milan ou Bayern Munique.

- Isso tem tanta influência assim nos resultados?
- Podemos ver que os finais de época são sempre perturbadores, muito esquisitos mesmo. Se formos ver o filme das últimas competições constatamos que as equipas mais favoritas acabam por desiludir. Ao longo dos anos isso reforça-se. Veja o Gabriel Heinze, que nos últimos quatro anos não teve uma única semana de descanso, e isso afecta o rendimento do jogador e potencia as lesões. O que precisamos é de equilíbrio, de bom senso e de uma cooperação eficaz entre as selecções e os clubes. Estamos permanentemente em contacto com as equipas nacionais e as coisas vão funcionando. Não como nós desejaríamos, mas acaba por ser positivo.

- O ponto de equilíbrio já foi encontrado?
- Não, mas esse ponto tem de ser encontrado para não haver prejuízos de parte a parte.

- Os grande rivais do Manchester continuarão a ser o Chelsea e o Arsenal?
- Os nossos rivais directos não nos preocupam. O rival que mais nos preocupa neste momento é o Manchester [risos], somos mesmo nós.

- Como vive o fabuloso clima em redor de um jogo de futebol em Inglaterra?
- É fantástico. Já conheço alguma coisa do mundo do futebol porque o único continente em que não treinei foi a Oceânia. Já vivi muitos ventos e muitas tempestades e hoje sinto que há o futebol inglês e... o outro futebol. Além dos aspectos competitivos e desportivos, a vontade de ganhar e o desespero da derrota, existe uma festa, um espectáculo e a tranquilidade suficientes para que os treinadores façam o seu trabalho e os jogadores joguem o seu futebol. As pessoas parecem bem mais apaixonadas, mas são também mais tolerantes. No futebol não há milagres e as coisas não aparecem de um dia para o outro e os adeptos sentem isso. Todos nós que somos profissionais sentimos esse enquadramento e acabamos por viver numa atmosfera mais aliciante para desempenharmos o nosso trabalho com grande tranquilidade.

- É esse enquadramento que faz com que Cristiano Ronaldo seja hoje um jogador bem mais maduro?
- Temos trabalhado muito nessa vertente. Há um plano que temos traçado dentro do clube para fazer crescer os nossos talentos mais jovens. Veja que na época anterior o Cristiano fez alguns jogos e este ano já foi o jogador de campo mais utilizado.- Desenvolver as capacidades dos mais novos é o grande desafio do Manchester neste momento?- Estamos a fazer uma grande aposta nos jogadores novos. Damos a oportunidade de ganharem maior maturação, de poderem crescer e estarem preparados para os aspectos mais complicados. Uma equipa ganhadora e campeã tem normalmente uma média de idades entre os 28/29 anos, mas nós temos neste momento uma equipa muito nova.

- A pensar no futuro?
- Olhe para o nosso meio-campo e ataque: temos três jogadores de 20 anos e isso tem de ser considerado uma coisa anormal. Mesmo assim chegámos onde chegámos; tivemos jogos - frente ao Arsenal, por exemplo - em que eles mostraram que, se estivermos na plenitude da nossa forma e mesmo com tantos miúdos, estamos muito perto do sucesso. Só falta estes meninos crescerem um pouco mais, terem a serenidade em determinados jogos, com o marcador 0-0 ou a perdermos, e não sentirem ansiedade ou pânico de estarem num dos maiores clubes do Mundo.

- Isso sente-se muito no banco?
- O sentido de responsabilidade e colectivo que os jogadores mais maduros têm é importante. São esses que quando estão a ganhar 2-1 fora de casa sentem que têm de guardar o resultado e só o conseguem com muita experiência.

- Cristiano Ronaldo é hoje um jogador determinante?
- Fizemos uma grande aposta nele, no Rooney e no Fletcher. São três dos jogadores à volta dos quais o futuro do Manchester vai girar. Estamos a construir esta década numa perspectiva de sucesso. Temos uma estratégia montada a pensar nos próximos 10 anos e são três dos pilares. Ou melhor, não serão pilares, mas sim as fundações do projecto que temos e que visa continuar a dominar o futebol mundial.- Pensar numa década é irrealista noutro clube...- Nem vale a pena. Isso só pode acontecer num clube com a grandeza do Manchester. Mais: atravessamos o Canal da Mancha e esta mentalidade deixa de fazer sentido...

segunda-feira, junho 27, 2005

António Oliveira - De Criança díficil ao Prodigio

António Oliveira, um menino traquinas, de espírito aguçado e aventureiro, revelou-se desde cedo um menino difícil, talvez por isso, os pais, donos de um famoso restaurante em Penafiel, decidissem interná-lo num colégio de Ermesinde, quando ele tinha 11 anos. Certamente terão pensado que naquele estado de clausura, a paixão de Toninho pelo futebol arrefeceria e poderia interessar-se mais pelos estudos, mas enganaram-se, António não só, não se interessou pelos estudos, como passava dias inteiros a chorar e sempre cabisbaixo imaginando os seus amigos a jogarem á bola felizes pelas ruas de Penafiel. Então engendrava planos para fujir do colégio e muitas vezes conseguia, fujindo do colégio sem o verem e depois ia para Penafiel a pé ou á boleia, dirigindo-se depois para ao pé dos seus amigos. Brincava e jogava á bola como ninguém e só regressava a casa á noite onde os seus pais preocupados e zangados o reprendiam com valentes sovas, depois éra o regresso forçado a Ermesinde, um ritual que se repetiria durante pelo menos quatro anos.A vida de António, nunca foi realmente fácil, para além de seus pais não gostarem de futebol e muito menos de terem um filho que jogasse, ainda tinha primos mais velhos que o gozavam continuamente. António sempe sonhou jogar no futebol Clube do Porto e tinha 15 anos quando os seus primos mais velhos lhe disseram que apesar de brilhar lá na terra como jogador, nunca haveria de vestir a camisola do F. C. Porto, pois isso éra uma honra para outra gente, com mais jeito que ele e, principalmente, com mais... físico. De facto Toninho éra franzino, mas o que lhe faltava em músculo, sobrava-lhe em orgulho, e em determinação, por isso não deu importância e convençeu o irmão mais velho , Joaquim a levá-lo às Antas, para fazer testes, e poder mostrar ao seus primos desmancha-prazeres que estavam redondamente errados, e assim foi até ás Antas .
Artur Baeta e António Feliciano encantaram-se com o jeito de António e ele ficou, Jogou dois anos nos juniores do F. C. Porto, e no terminar desses 2 anos foi integrado no plantel de honra pelo brasileiro Paulo Amaral. Pouco depois, José Augusto convocou-o para a MiniTaça do Mundo, que se realizou no Brasil, na qual Portugal se classificaria em segundo lugar. Mas, uma cruel partida do destino impediu que Oliveira vivesse esse momento de fulgor como agente activo, porque, a escassos dias da partida, num jogo contra o Barreirense, fracturou uma omoplata.
Quando Pedroto reentrou nas Antas para resgatar o F. C. Porto das ruas da amargura, já António Oliveira era a estrela maior da equipa e com fama internacional. Após a conquista do Campeonato, o tal que quebrara 19 anos de jejum dos Dragões, recebeu, através de António Simões, uma proposta tentadora de 43 mil contos para ir jogar... futebol para Dallas.
Américo de Sá e Pinto da Costa ofereceram- lhe 10 mil contos para que renovasse contrato com o F. C. Porto, mas ele manteve-se na expectativa, até porque, por essa altura, já se sabia que João Rocha estava disposto a pagar-lhe 25 mil contos pela assinatura de um contrato de quatro anos pelo Sporting. Acabaria por ser outra a rota: em operação-relâmpago, o Bétis fez de António Oliveira o mais bem pago jogador da sua história: 36 mil contos de prémio de transferência, pagos durante três épocas, oito mil contos de luvas e um ordenado mensal de 60 mil pesetas!
E assim Oliveira rumou a Espanha e nunca mais parou de fazer sucesso…

domingo, junho 26, 2005

António Feliciano - A Paixão por Belém

Numa casinha modesta, na cidade da Covilhã, junto dos picos da serra da Estrela, nasceu António Feliciano. O pai era tintureiro de fazendas e a mãe tecedeira. Vivia uma infância com algumas dificuldades próprias da época, mas vivia feliz, até que aos seis anos ficou órfão de pai.
Ai as dificuldades adensaram-se, a mãe, com quatro filhos para criar, conseguiu que António entrasse para a Casa Pia.
António desde cedo mostrou ser um grande apaixonado pelo futebol, o fascinio que este desporto exercia sobre si, éra de tal forma grande, que aos 17 anos inscreveram-no oficialmente no Casa Pia Atlético Clube.
O Clube dava-lhe dinheiro para os electricos, mas mesmo quando os jogos éram nas Amoreiras ou no Campo Grande, António preferia ir a pé, para ficar com os 24 tostões para as borgas e para poder comprar alguma coisa para si.


Começou por ser médio-esquerdo, mas depressa se destacou como defesa. O seu primeiro treinador foi o jornalista Ricardo Ornelas, que nem sequer imaginava que, por vezes, Feliciano jogava clandestinamente no Hotel Borges, os jogos entre os hoteis de Lisboa éram muito renhidos; as disputas éram levadas extremamente a sério, por isso aliciavam os jovens da Casa Pia que começavam a despontar para jogarem nas equipas dos hoteis, oferecendo-lhes, em caso de vitória nos campeonatos, prémios de 20 escudos ou... cinco maços de Paris. Era um luxo.
Quem conseguia ganhar os campeonatos pelos Hoteis, voltava á Casa Pia como um verdadeiro rei.
O seu talento foi reconheçido rapidamente e depressa passou para a equipa de honra do Casa Pia, mas o seu talento era por demais evidente, por isso num piscar de olhos surgiu o Benfica interessado na nova coqueluche, mas o seu destino estaria traçado para outras paragens e foi num jogo com o Benfica, para a Taça de Portugal, nas Salésias, que o seu destino ficou marcado. Alejandro Scopelli assistiu à partida e ficou deslumbrado com o defesa-central, éra definitivamente o homem que andava a procura para substituir Tarrio.
Apesar de Scoppelli ter mostrado interesse o Porto entrou na corrida e propôs a Feliciano mudar-se temporáriamente para o Norte, para ver se este se habituava ás lides nortenhas, mas Feliciano não se habituou e chegou mesmo mais tarde a dizer: «Cheguei a estar hospedado na Pensão Alegria uns 15 dias. Mas senti-me deslocado, muito pequenino ao pé de jogadores como Carlos Pereira, Pinga, Guilhar, Pocas, Novas e, por isso, sem dar cavaco, meti-me no comboio e voltei para Lisboa.»
Assim regressou a Lisboa e como Scopelli lhe tinha dito que aparecesse pelas Salésias, assim o fez Os gansos tinham uma dívida de gratidão a pagar aos homens da Cruz de Cristo, pois quando, para a Exposição do Mundo Português, o seu campo do Restelo foi destruído por ordem governamental, o Belenenses colocou-lhes as Salésias à disposição. Por isso, para libertarem Feliciano pediram três contos. Assinou-se o acordo a uma mesa da Brasileira do Chiado, ficando Feliciano com a garantia de um ordenado mensal de 300 escudos.


«Nos meus primeiros tempos no Belenenses arranjaram-me um emprego no Grémio dos Armazenistas de Mercearia. O emprego trouxe-me um pequeno problema: eu não tinha um fato para vestir e não podia, como é evidente, ir para o Grémio fardado com o uniforme da Casa Pia. Valeu-me Francisco Silva [director do Grémio e do... Sporting]. Ofereceu-me um casaco, uma camisa e uma gravata. Estava salva a situação. Com as calças do fardamento, o enxoval ficou completo»... Assim disse António Feliciano quando ntrou para o Belenenses.O seu primeiro treinador no Belenenses foi Artur José Pereira, que, apercebendo-se de que Feliciano só chutava com o pé esquerdo, o obrigava a jogar apenas com uma bota calçada. Estreou-se contra a Cuf, com uma vitória por 6-0, numa partida histórica em que Horácio Tellechea marcou os seis golos da equipa e, em 1943/44, alcançou o seu título: campeão de Lisboa.
Dois anos depois, com o seu célebre oitavo exército, o Belenenses sagrava-se campeão nacional.


Era o tempo das Torres de Belém. Vasco, Feliciano e Serafim. Depois do título foi passar férias à Corunha e ai conheceu o mítico Zamora que já lhe conhecia a fama de bom jogador e por isso quis leva-lo para jogar no Celta de Vigo, clube que na altura ofereçeu ao Belenenses 200 contos pela rescisão do contrato e mais 200 a Feliciano para assinar contrato com os Espanhois….Ganhava 800 escudos por mês em Belém, poderia até ter subido muito mais na sua carreira, mas aquela época primou por jogadores honestos, que jogavam com amor á camisola e não pelo dinheiro, por isso Feliciano declinou o convite, em prole do seu grande amor pelo Belenenses. Não lhe aumentaram o ordenado, mas deram-lhe, como que por gratidão, cinco contos. Passado algum tempo depois, esteve a caminho do Brasil, pois o Vasco da Gama delirava com a ideia de o ter na equipa, mas mais uma vez voltou a não ter coragem para sair do Belenenses…

11 de Junho - Suécia X Inglaterra

A Suécia garantiu, perante os 25.694 espectadores presentes em Ewood Park, em Blackburn, um lugar nas meias-finais graças a um golo de Anna Sjöström, que colocou fora de prova a anfitriã Inglaterra

Adeus da equipa da casa


Apesar de ter estado sempre ao nível da Suécia, a Inglaterra não conseguiu o golo do empate e as finalistas de 2001 terminaram na liderança do Grupo A, tudo graças à vitória da Finlândia, por 2-1, sobre a Dinamarca, resultado que deixou a equipa treinada por Hope Powell no quarto e último lugar do grupo. Obrigada a vencer, a equipa da Suécia entrou ao ataque e aproveitou um canto para marcar. O pontapé de Therese Sjögran desviou em Katie Chapman e a bola foi parar aos pés de Sjöström, que marcou com um toque de calcanhar.

Mudança de guarda-redes


Ambas as equipas fizeram duas alterações em relação aos jogos de quarta-feira. Rachel Brown substituiu a lesionada Josephine Fletcher na baliza de Inglaterra, que havia sofrido dois golos nos instantes finais da derrota por 2-1 com a Dinamarca, e Eniola Aluko jogou no lugar de Amanda Barr. Nas nórdicas, Caroline Seger e Sjöström ocuparam os lugares de Malin Andersson e de Lotta Schelin no meio-campo, isto em relação à equipa que foi titular no empate sem golos frente à Finlândia.

Remate de Yankey


As esperanças que a Inglaterra tinha em segurar o nulo caíram por terra e os 25 mil espectadores aumentaram o barulho para incentivar a equipa da casa, especialmente quando a irrequieta Aluko atacava a defesa sueca. Rachel Yankey fez o primeiro remate de Inglaterra, mas a bola saiu à figura de Hedvig Lindahl, que, depois, teve de mergulhar corajosamente para evitar o desvio de Kelly Smith.
Yankey marcou um livre que Seger desviou de cabeça, fazendo a bola rasar a trave da própria baliza e, depois de um período de acalmia, a velocidade de Aluko quase provocou um golo bizarro aos 33 minutos, quando interceptou um alívio de Lindahl. A bola subiu muito e foi por pouco que não entrou na baliza, junto ao poste esquerdo.
Pouco antes do intervalo, a pressão inglesa quase deu resultado. Karen Carney marcou um canto, Faye White cabeceou e Jane Törnqvist evitou o golo. A recarga de Yankey saiu por alto. Nos segundos finais, White foi obrigada a fazer um carrinho para evitar um remate de Hanna Ljungberg.

Chapman perto


Smith continuou em campo para a segunda parte pela primeira vez na fase final e desviou um cruzamento de Yankey para Carney, cujo remate foi desviado para canto, na sequência do qual Chapman cabeceou por cima. Esta jogada levou a seleccionadora da Suécia, Marika Domanski-Lyfors, a lançar em jogo Frida Östberg para reforçar o meio-campo.
Foi uma boa alteração, pois o jogo passou a desenrolar-se junto à baliza da equipa da casa. Svensson, lançada em profundidade, fez a bola passar sob o corpo da guarda-redes inglesa, mas Brown defendeu a bola com os pés. A Inglaterra respondeu e um cruzamento de Alex Scott permitiu a Yankey rematar de calcanhar, mas Lindahl defendeu com atenção.

Última aposta


Powell apostou em Barr para o lugar de Carney, reforçando o ataque nos últimos 20 minutos, mas não foi por acaso que a Suécia foi finalista do Campeonato do Mundo de 2003. Com uma boa posse de bola, as nórdicas garantiram que o último campeonato de Domanski-Lyfors no posto de seleccionadora vai continuar nas meias-finais, face ao segundo classificado do Grupo B, em Warrington, na quinta-feira. A Inglaterra, cujas jogadoras e adeptos nunca desistiram, só tem a lamentar os golos que sofreu frente à Dinamarca há três dias.

11 de Junho - Finlândia X Dinamarca

Este foi um jogo impressionante. Superou todas as expectativas de quem assistiu a este Europeu, pois não só, a estreante Finlândia em fases finais de grandes competições, conquistou um improvável lugar nas meias-finais, como derrotou a grande potência futebolistica a Dinamarca.

Consistência defensiva


Laura Kalmari colocou as finlandesas em vantagem logo aos seis minutos, aproveitando da melhor forma um erro defensivo das suecas, que se viram em desvantagem por duas bolas de diferença, mercê de um excelente cabeceamento de Heidi Kackur, que colocou as cerca de cinco centenas de finlandeses que se deslocaram daquele país nórdico em completo delírio. A Dinamarca reduziu através de Cathrine Paaske Sørensen, mas a consistente defesa finlandesa resistiu face à crescente pressão e conseguiu o apuramento para as meias-finais.

Poucas alterações


A Dinamarca, que começou o jogo sabendo que um ponto bastava para assegurar um lugar na fase seguinte, fez duas alterações relativamente à equipa que derrotou a Inglaterra, voltando a chamar as laterais Mie Olsen e Mariann Knudsen. Depois de uma fantástica actuação defensiva frente à Suécia, que lhe valeu um nulo, a Finlândia apenas achou por bem mexer no meio-campo, com a extremo Jessica Thorn a render Minna Mustonen no lado direito, partindo, assim, à procura da vitória que lhe daria o apuramento para umas inesperadas meias-finais, caso o resultado da partida entre a Inglaterra e a Suécia, que se defrontavam em Ewood Park, em Blackburn, assim o propiciasse.
O seleccionador da Finlândia, Michael Käld, avisou a sua equipa dos perigos que corria caso partisse para o ataque logo desde o apito inicial, mas as suas jogadoras parecem ter feito orelhas moucas, uma vez que não demoraram muito a chegar a uma vantagem de dois golos. O primeiro chegou logo aos seis minutos, devido a uma falha defensiva das dinamarquesas. Gitte Andersen falhou o alívio e a bola foi parar aos pés da ponta-de-lança Kalmari, que, entretanto, se isolou, antes de bater inapelavelmente Tine Cederkist.

Reacção dinamarquesa


A Dinamarca, que derrotara a Finlândia de forma esclarecedora na última vez em que as duas equipas se haviam defrontado, ainda tentavam recuperar do golpe disferido por Kalmari quando se viu a perder por duas bolas de diferença. Dessa vez, foi Heidi Kackur a marcar, saltando mais alto que a estática defesa das dinamarquesas e cabeceando um livre cobrado por Anne Mäkkinen no lado direito.
Era difícil iludir as finlandesas, cuja defesa estava extremamente tranquila, o meio-campo mostrava-se ameaçador e o ataque capaz de ultrapassar o último reduto adversário em qualquer ocasião. Por isso, a Dinamarca somente aos 12 minutos criou a sua primeira ocasião de perigo. A extrema-direita Johanna Rasmussen foi lançada pelo seu flanco, de onde cruzou para a cabeça da ponta-de-lança Merete Pedersen, cujo cabeceamento foi defendido pela guardiã Satu Kunnas por cima da trave.

Guarda-redes em destaque


A Finlândia ainda manteve o domínio dos acontecimentos, com Thorn a justificar a titularidade com algumas descidas pelo lado direito. Numa delas, descobriu Kalmari na área, a qual apenas não marcou porque Cederkvist efectuou uma espantosa defesa. À medida que o intervalo se aproximava, a Dinamarca aumentou a pressão, tendo a guarda-redes Kunnas voltado a brilhar entre os postes das finladesas, ao negar outro golo a Pedersen.

Sørensen reduz para as dinamarquesas


Parecia quase inevitável que as dinamarquesas conseguiriam finalmente marcar, o que veio a acontecer instantes antes do intervalo, quando o remate de longa distância de Johansen foi desviado por Sørensen. O golo surgiu numa altura crucial para as dinamarquesas, que só precisavam de mais um golo para prosseguirem em prova, algo que viriam a perseguir durante todo o segundo tempo.
A capacidade aérea de Sørensen afigurava-se como a maior fonte de perigo para as dinamarquesas. A dianteira desperdiçou uma boa ocasião para igualar a partida aos 65 minutos, ao cabecear centímetros acima da barra. À medida que o jogo se aproximava do final, a Finlândia passou a defender mais próximo da área contrária e, aos 73 minutos, Mäkinen quase sentenciou o encontro, através de um chapéu que foi direitinho á trave. Um último esforço das dinamarquesas não foi suficiente,para impedir a progressão da Finlândia na prova, e esta surpreendentemente atingiu o que ninguém esperava: as meias finais.

Final Vermelho

Chegou ao fim a época 2004/2005 de futsal, e o Benfica sagrou-se campeão nacional em masculinos e femininos, foi uma época em cheio para os encarnados.


Na sexta feira, perante um pavilhão Açoreana Seguros completamente cheio e com um ambiente espectacular, Benfica e Sporting protagonizaram um grande espectaculo de futsal. O Benfica correu sempre atrás do prejuizo, esteve por 3 vezes em desvantagem no tempo regulamentar mas acabou sempre por recuperar.
André Lima com 4 golos marcados neste jogo acabou por conquistar o titulo do rei dos goleadores.
Não me vou alongar muito mais na crónica a este jogo, quem não viu decerteza que pode ver os resumos e ler as crónicas nos jornais desportivos.


Aquilo que julgo ser justo fazer nesta altura, é dar os parabéns a toda a secção de futsal do Sport Lisboa e Benfica, que ao contrario de outras nunca se queixou de nada e sempre soube sobreviver de forma autónoma, e na minha opinião, apesar de algumas atitudes polémicas uma vez por outra (mas sempre na defesa dos interesses da secção) têm uma conduta exemplar no futsal Português. Um exemplo do que digo foram os bilhetes disponibilizados aos adeptos do Sporting a um preço mais barato que os bilhetes para o público em geral no jogo de sexta feira, demonstrando desta forma respeito pelos adeptos do clube rival. Outro exemplo disso foi a forma como a secção de futsal defendeu a selecção nacional depois dos resultados menos positivos no Mundial e Europeu, apesar das criticas ao seleccionador antes destas competições, depois dos maus resultados em que seria muito mais fácil cair na tentação de criticar a selecção nacional, o futsal do Benfica colocou-se ao lado da selecção nacional surpreendendo muito boa gente com esta atitude de solidariedade pelas pessoas que tudo deram à selecção!


E a prova de que estes dirigentes são realmente amantes da modalidade é a aposta feita em todos os escalões da modalidade, incluindo a secção feminina que foi campeã nacional sem uma única derrota e que venceu a 2.ª mão da final com o Estrela do Zêzere por 5-4, depois de ter vencido por 9-4 na 1.ª mão. Em juvenis e juniores a equipa discutiu com o Sporting os titulos de campeão distrital que davam acesso à taça nacional dos respectivos escalões, as equipas Leoninas acabaram por levar a melhor, mas de qualquer forma não sem ultrapassarem a forte oposição do Benfica.


Eu como Benfiquista e amante do desporto em geral, sinto-me orgulhoso com a aposta que a direcção tem feito em todas as modalidades do clube, o clube tem excelentes infrastruturas e os resultados estão à vista de toda a gente!

Também este fim de semana ficou decidido o campeonato espanhol, e o dream team do Bommerang Interviu venceu pela 4.ª vez consecutiva a competição, na 4.ª partida da grande final derrotou em Murcia o El Pozo de Murcia por 6-3 perante mais de 7000 espectadores adeptos da equipa da casa...


Está assim decidido o grupo de equipas que provavelmente discutirá o titulo da UEFA Futsal Cup da próxima temporada, Benfica, Bomerang Interviu, Perugia, Dinamo de Moscovo, Action 21 Charleroi e o Shakhtar Donetsk, muito provavelmente o novo campeão europeu vai sair deste grupo de equipas.

Destaque também para a equipa de juvenis da Fudação Jorge Antunes que já assegurou o titulo nacional depois de eliminar nas meias finais o Sporting e derrotar na final o Ladoeiro, no escalão de juniores Boavista e Sporting de Pombal estão à espera da decisão da FPF sobre um recurso do Sporting que protestou a utilização irregular pelo Boavista de um jogador no encontro das meias finais entre as 2 equipas.



Assim sendo resta-nos esperar pelo All Star Game no próximo dia 30 de Junho em Santo Tirso para dizer adeus à época 2004/2005 e esperar ansiosamente pela próxima época que contará com nada mais nada menos que 4 equipas da cidade de Lisboa (Benfica, Sporting, Belenenses e Olivais)

Grande Abraço e Bons Ataques!!

Brasil é finalista da copa das confedereções

Brasil venceu ontem os donos da casa, a selecção Alemã por 3 x 2, dando destaque as grandes atuações de Adriano, Emerson e Cicinho.
Depois de tanta perserguição de minha parte, Adriano finalmente joga bem e fez o que devia: golos! Emerson deu a segurança no meio de campo que tanto precisamos e Cicinho que entrou muitissimo bem no intervalo do jogo.


Adriano abriu o marcador com um golo de falta, mas logo em seguida, a nossa zaga prova que ainda é um verdadeiro teste para cardiaco, e deixa o alemão empatar. Já no final do primeiro tempo num lance um pouco duvidoso, Adriano é empurrado na area e é penalty, que foi convertido em golo por Ronaldinho, mas se sentindo culpado por marcar um penalty contra os donos da casa, o arbitro inventou um penalty numa jogada alemã, que Ballack(muito ruim, na minha modesta opinião) tambem o converteu em golo. E no segundo tempo, na jogada classica de matador, Adriano recebe, corre e bate cruzado, mesmo não sendo sua especialidade bater cruzado, fez o golo da vitoria brasileira.


Agora esperamos a Argentina ou o México na grande final, nunca se viu tanta torcida brasileira pela a Argentina.
Vale lembrar uma triste estatistica (para a Alemanha), de que a Alemanha, em confrontos contra o Brasil leva uma "pequena" desvantagem... são 3 vitorias alemãs, 5 empates e agora são 17 vitorias do Brasil, trocando em miudos... a Alemanha já é um velho freguês brasileiro.


E um problema , mais uma vez ocorrido durante o jogo foi uma invasão de um torcedor vestido com a camisa do Corinthians, será que essa será a mesma segurança durante o mundial? Espero que o Bin Laden nem pense no futebol!!!

sábado, junho 25, 2005

A.F. Viseu

O Clube Desportivo de Tondela fez a "dobradinha".


Ao derrotar por 3-2, após prolongamento, na Final, no Estádio do Fontelo em Viseu, o Lusitano de Vildemoinhos, o Desportivo de Tondela conquistou em duas épocas consecutivas, a Taça Sócios de Mérito da Associação de Futebol de Viseu, feito com que enriquece a História, já brilhante, do popular Clube da terra de Besteiros.


Este ano, o Clube Desportivo de Tondela, assinou mais um feito brilhante na sua riquíssima e já longa história, pois ao arrecadar os três pontos da vitória, frente ao Oliveira de Frades, quando apenas necessitava de um, conquistou o direito ao título de campeão, a duas jornadas do fim do campeonato e, desta forma, regressar à III Divisão Nacional, onde militou durante muitos anos em várias épocas, com a subida, ainda, ao Nacional da II Divisão B, no qual militou três anos consecutivos.

A equipa do Vale de Besteiros em 30 jogos, conseguiu 22 vitórias, mais cinco do que o Tarouquense, tres empates e averbou cinco derrotas, somando 69 pontos, tendo marcado 76 golos e ficado com o melhor ataque (com mais 25 golos marcados q o 2º) e sofrido 25.


Nessa altura, os jogadores, a equipa técnica, e os dirigentes do Desportivo festejaram em conjunto mais uma viragem de página da história do mais popular clube do Concelho e um dos mais antigos do Distrito, que em 6 de Junho de 1933, nasce das "cinzas" do também velho e glorioso Tondela Futebol Clube, fundado em 1925, ambos com uma actividade permanente e ininterrupta, diversas vezes envolvidos em competições a nível nacional, não sendo de esquecer ainda a existência de outro popular clube o Operário Atlético Clube que, fundado em 1931, era extinto com o Tondela Futebol Clube, em 1933, continuando o projecto desportivo da sede do Concelho numa só colectividade, pondo-se fim a algumas rivalidades existentes entre estes dois clubes históricos.


O Desportivo de Tondela que nasceu para ser uma colectividade verdadeiramente ecléctica, apenas conseguiu singrar na modalidade de futebol, muito embora nos primórdios da sua existência, o Clube tivesse praticado outras modalidades, mormente o ciclismo, que ficaram pelo caminho.

O Clube Desportivo de Tondela já fez a apresentação do plantel para a próxima temporada.
Augusto é o nome mais sonante, no que toca a contratações, apresentando-se aos sócios, a 10 de Agosto, frente ao S.L.Benfica.

O lote de jogadores que transita da época passada é o seguinte:
Quim, Filipe, Tó Marques, Vitor Tiago, Hugo, Chano, Michel, Barca, Espanhol, Migueli, Rato, Almiro, Ivo e Márcio
Aquisições:
Augusto (ex-Académico de Viseu), Steven e Leitão (ex-Penalva), Santos (ex-Sátão), Nando (ex-Santacombadense), Jusko (ex-Farminhão), Calu (ex-Torre de Moncorvo) e Vitor Bruno (ex-júnior do Académico de Viseu).



Parabéns ao Tondela, pelo titulo e pela subida


ADR Tarouquense

O segundo classificado da A.F. Viseu também subiu por mérito proprio á 3ª Divisão Nacional. Tendo ficado a 8 pontos do primeiro classificado mas com a melhor defesa da prova com apenas 23 golos sofridos e com o menor numero de derrotas (apenas 3).



Há quatro anos a comandar a equipa tarouquense, Victor Rebelo conquistou o seu espaço na história do futebol distrital, elevando a equipa, pela primeira vez, à 3ª Divisão Nacional.
Com um estilo de trabalho voltado para a perfeição táctica adaptada para a realidade de cada jogo, aos 35 anos de idade, o treinador tem a seus pés os amantes do futebol de Tarouca.
O segundo lugar na competição só foi garantido na última jornada, frente o Sampredrense (3º classificado), no estádio da Pedreira, em São Pedro do Sul.

Profissionalmente, Victor Rebelo actuou também dentro das quatro linhas a defender as cores do Sporting Club de Portugal, Vitória Club de Lisboa, Sporting Club de Cambres (1.ª Divisão Distrital da AFV), G.D. Moimenta da Beira (1.ª Divisão Distrital da AFV), G. D. Resende (1.ª Divisão Distrital da AFV) e na A.D.R. Tarouquense (2.ª Divisão Distrital da AFV). Foi também finalista da Taça de Sócios de Mérito da AF Viseu em 1999/2000 e campeão da 2.ª Divisão Distrital da AFV, Zona Norte -, em 2001/2002.
Como treinador, Victor Rebelo comandou a Associação Desportiva Tarouquense -
2000/2001 (2.ª Divisão Distrital de AFV), Cracks Clube de Lamego - 2001/2002 (Campeonato Distrital de Juvenis de AFV) e retornou ao Tarouquense na época 2001/2002 (1ª Divisão Distrital AFV), onde se mantém. Nesse contexto, Victor Rebelo já faz parte também da história do clube, uma vez que, assim que iniciou na vida de treinador, na época 2000/2001, ajudou o Tarouca a subir da 2ª para a 1ª Distrital e, este ano, leva o Tarouca a novos voos na 3ª Nacional, onde, se permanecer na equipa, vai viver também uma nova etapa da sua vida.


Parabéns ao Tarouquense pela subida.

Noticas do Manchester United 28-06-05

27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Comitiva do Manchester United chega hoje a Portugal para mini-estágio de uma semana

Segundo o MUP apurou durante o fim-de-semana, a equipa do Manchester United chegará hoje a Faro por volta das 17:30h. A equipa parte do aeroporto internacional de Manchester às 10:30h para o aeroporto de Gatwick em Londres onde aterrará por volta das 11:30h no voo BA1391 da British Airways. A comitiva almoça posteriormente na capital de Inglaterra e seguirá depois viajem para Faro no voo BA6886 da GB Airways tendo hora marcada para aterrar em solo português às 17:30h. Chegada a Portugal, a comitiva segue de imediato para o resort de 5 estrelas instalando-se no hotel Vale do Lobo, na calma região algarvia de Almancil. Na comitiva para além do plantel normal estão integrados o novo reforço holandês Edwin Van der Sar, o jovem Keiran Richardson que no final da época passada esteve emprestado ao West Brom Albion e Luke Steele, jovem inglês que esteve na temporada passada emprestado ao Coventry City e que esta temporada vai servir de terceiro guarda-redes do conjunto inglês. Também está por confirmar a presença do jovem avançado chinês Dong Fangzhuo em solo português. Quanto ao sul-coreano Ji-Sung Park não está prevista a sua viajem para Portugal devendo estar somente disponível para a tournée à Ásia. Quem também só rumará ao oriente é o internacional argentino Gabriel Heinze que ainda se encontra ao serviço da sua selecção na Taça das Confederações. Nem todos os jogadores rumaram de avião para Portugal dado que alguns viajaram directamente dos seus locais de férias. Cristiano Ronaldo vem directamente de Espanha para o Algarve onde tem estado de férias com uns amigos bem como Carlos Queiróz que já se encontra em solo português à alguns dias. Foi mesmo o técnico português que planeou todo o estágio da equipa em solo nacional tendo-se ontem reunido com Luís de Matos, responsável pela segurança do recinto. Carlos Queiróz passou depois o complexo a pente fino tal incluindo balneários, ginásio, piscinas, relvado e apartamentos onde ficaram alojados os jogadores. Mais de 50 jornalistas ingleses viajaram para o Algarve para acompanhar a equipa bem e diversos serão também os nacionais que estarão presentes a partir de hoje em Almancil. De notar que o clube fez alguns pedidos extra à organização como um ginásio privativo cujas máquinas vieram todas de Itália e 2,5 km reservados do campo de golfe para corridas matinais da equipa. A comitiva que chegará ao Algarve engloba mais de 90 elementos entre técnicos, jogadores e respectivas famílias. A equipa ficará em solo português até do próximo dia 2 Julho. Conheça o magnifico resort de 5 estrelas onde a equipa ficará hospedada no Algarve Veja um vídeo do magnifico local onde a equipa ficará durante a próxima semana


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Jovem Cristiano Ronaldo renova contrato amanhã à tarde em solo português

Já está tudo acertado para a renovação do craque português Cristiano Ronaldo com o nosso Manchester United. A comitiva inglesa chega hoje a Portugal, a Vale do Lobo ao final da tarde para o mini-estágio de uma semana mas, não haverá somente sol, praia, comida e boa disposição. Estão marcados pela equipa técnica quatro treinos colectivos até ao final da semana [terça, quarta, quinta e sexta-feira], todos de manhã por volta das 10:00h. Realizam-se também amanhã de manhã os habituais testes médicos de pré-época liderados pelo médico do clube Dr. Mick Brown coadjuvado por Gary Armer [massagista] e Robert Swires [fisioterapeuta]. Durante a tarde de amanhã espera-se a tão esperada renovação de contrato de Cristiano Ronaldo. O seu empresário Jorge Mendes é esperado amanhã em Vale de Lobo para a assinatura da renovação do craque português até 2010. O acordo foi alcançado à duas semana tendo sido confirmado pelo próprio Director Executivo do nosso clube David Gill apesar de não terem sido revelados os valores do acordo. No entanto, o MUP soube que Cristiano Ronaldo vai passará a receber tanto como a segunda metade do plantel, que englobam nomes como Paul Scholes, Ruud Van Nistelrooy, Ryan Giggs, Gary Neville e Wayne Rooney, somente ultrapassados por Roy Keane, Rio Ferdinand e o próprio Sir Alex Ferguson.


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Técnico português Carlos Queiróz vai orientar uma equipa no jogo All-Stars 2005

O treinador adjunto do nosso clube Carlos Queiróz foi hoje convocado para orientar a equipa de Luís Figo na terceira edição do Figo All-Stars, em mais um jogo de angariação de fundos para instituições sociais. O professor Carlos Queiróz treinará a equipa da Fundação Luís Figo tendo ao seu lado Sir Bobby Robson. o espanhol Vicente del Bosque orientará a outra equipa da Fundação Ronald McDonald. O desafio está agendado para o próximo sábado à noite no estádio do Algarve, um dia antes da equipa do Manchester United regressar a Inglaterra. Sem ser Carlos Queiróz mais nenhum nome do Manchester United está confirmado nesta festa do futebol. Fique a par do que se passou no primeiro evento Luís Figo All-Stars em 2003 onde o Manchester United Portugal marcou a sua presença


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Técnico holandês Guus Hiddink critica antigo jogador Ji-Sung Park

O técnico holandês do PSV Eindhoven Guus Hiddink criticou o mais recente reforço do Manchester United Ji-Sung Park por não ter permanecido mais tempo em Eindhoven e pretender rumar a Manchester. Guus Hiddink recrutou o internacional sul-coreano para a equipa do PSV Eindhoven a seguir ao Mundial de Futebol de 2002 efectuado na Ásia e criou toda uma táctica de equipa envolvendo Ji-Sung Park. Agora a mudança para Manchester não agradou de forma alguma a Guus Hiddink ao ponto de este vir a público afirmar que Ji-Sung Park se vai dár muito mal em Manchester ficando praticamente todos os jogos no banco de suplentes. Guus Hiddink foi ainda mais longe ao dizer que o sul-coreano vai ser o novo José Kléberson que segundo ele, não se conseguiu impor nem adaptar ao clube inglês na sua primeira temporada: ""Ji-Sung Park irá ser um desperdício de tempo no Manchester. Ele irá passar a maior parte do seu tempo no banco de suplentes. Está não foi a melhor decisão para ele. O Brasileiro José Kléberson é um bom exemplo para o Ji-Sung Park que foi para o Manchester United e foi um fracasso. O Ji-Sung Park deveria ter ficado mais um ano no PSV Eindhoven." Visite a secção de Ji-Sung Park criada recentemente pelo MUP e fique a conhecer melhor o jogador


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Médio Michael Stewart vai rumar ao Hibernian da Escócia

O médio escocês Michael Stewart que esteve na época transacta emprestado ao Hearts da Escócia poderá estar a caminho de outro clube escocês, agora a título definitivo. O médio de 24 anos realizou uma boa época em Hearts mas nem isso lhe valeu um lugar na equipa principal do nosso clube com vista à próxima temporada e assim, terá de arranjar novo clube. O Hibernian surge hoje como melhor alternativa ao médio internacional escocês que já revelou hoje à imprensa que estaria interessado em permanecer na cidade de Edimburgo: "Sei que haverá uma luta por posições mas, o Tony Mowbray é um jogador que conhece bem o Hibernian. Quero ficar na cidade de Edimburgo e estou muito contente com esta oportunidade. Sinto que dei tudo o que tinha e mais do que me podiam ter pedido no Hearts. Eles tiveram a oportunidade de me contratar de borla mesmo tendo tendo eu perdido parte da época devido a algumas lesões. Penso que mostrei bastante nos grandes jogos para merecer outro tipo de oportunidades no entanto, agora é tudo passado. Agora só estou ansioso por jogar para um treinador que acredita no tipo de jogo que consigo fazer". Conheça todos os jogadores já transferidos pelo Manchester United neste defeso


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Gabriel Heinze comenta primeira época de sucesso em Inglaterra

O defesa do Manchester United Gabriel Heinze acredita que a sua primeira época em Old Trafford foi um enorme êxito. Embora o United tenha acabado a época sem "prata maciça” acabando em terceiro na Liga e perdendo depois na final da Taça da Inglaterra, Gabriel Heinze é ainda da opinião de que suas prestações no futebol inglês têm provado a sua qualidade. Gabriel Heinze foi mesmo considerado um dos maiores e mais importantes êxitos da equipa numa época decepcionante, depois dos gigantes do Manchester terem negociado o jogador com o Paris Saint-Germain por 10,35 milhões de euros. Actualmente longe da equipa inglesa, estando ao dever da sua selecção na Taça das Confederações, Heinze falou no seu contentamento na forma como decorre a sua vida na Inglaterra: “Tive um ano muito bom uma vez que fiz parte da equipa em que joguei quase todos os jogos como defesa esquerdo. Eu fui muito bem recebido. Sir Alex Ferguson sempre foi muito boa pessoa e até hoje sempre nos respeitámos. Quando se está neste clube, talvez o maior clube do mundo, sabemos que se pode ganhar tudo. É um clube muito forte. Aqui realizamos muitos jogos e no fim da época sentimo-nos realmente cansados mas, isto é conveniente para o meu estilo de futebol”. Enquanto Gabriel Heinze está entusiasmado por afirmar o seu respeito para com Sir Alex Ferguson, ele está discreto na sua avaliação enquanto a Vahid Halilhodzic, treinador que foi despedido em Fevereiro do Paris Saint-Germain: "Ele não se saiu bem no Paris Saint-Germain devido ao seu carácter. Ele só pensou de si, não se importou com o clube. Quando um treinador não gosta de jogadores que tem carácter, e quando quer tudo a correr, dividindo uma equipa onde há uma atmosfera muito boa, não se observam resultados”. Faça o download grátis de um wallpaper do internacional argentino Gabriel Heinze


27-06-2005 - Fonte: www.manutdportugal.com
Reforço sul-coreano Ji-Sung Park dá nome a rua na sua cidade natal

Ji-Sung Park, o novo reforço do Manchester United, deu o nome a uma rua da sua localidade natal, próxima do estádio de Suwon, que albergou jogos do Mundial de 2002 realizados na Ásia. A cerimónia decorreu hoje após o regresso do jogador de Inglaterra onde firmou contrato com os nosso clube por quatro anos. Esta iniciativa já estava no entanto programada à alguns meses, ainda Ji-Sung Park era jogador do PSV Eindhoven. Ji-Sung Park ficará agora de férias na Coreia do Sul durante toda esta semana e rumará a Manchester na próxima segunda-feira, altura em que a equipa do Manchester United ruma de Portugal e volta aos treinos em Inglaterra.

www.mup-braga.manutdportugal.com

sexta-feira, junho 24, 2005

Torneio Internacional Futsal Formação do ABC de Nelas

Nelas volta a ser nos próximos dias 24(hoje), 25 e 26 de Junho a capital do Futsal nos escalões de formação. O ABC de Nelas, com a colaboração da Câmara Municipal de Nelas e da Associação de Futebol de Viseu, organiza, uma vez mais, um grande torneio de Futsal de âmbito internacional, nos escalões de formação: Escolinhas, Sub - 13 e Sub - 16.


Após o grande sucesso dos dois torneios anteriores, nos quais participaram algumas das mais representativas equipas portuguesas e espanholas, impunha-se para a edição deste ano que o projecto fosse ainda mais ambicioso.
Esse objectivo foi claramente alcançado, quer no que diz respeito à continuação da aposta na internacionalização da competição, quer no que concerne ao elevar do patamar da qualidade das equipas que vão estar presentes.

O III Futnelas 2005 conta com a participação do clube da casa, que realizou uma época a todos os títulos notável, um ano de ouro, no qual conquistou os três títulos de base de formação da competição distrital organizados pela A. F. Viseu.


De facto, o ABC de Nelas sagrou-se Campeão Distrital de Futsal da Associação de Futebol de Viseu 2004/2005, nos escalões de Escolas, Infantis e Iniciados.

A juntar à equipa anfitriã, o clube vencedor da edição anterior, nos dois escalões, e um dos mais poderosos clubes de Espanha, o Azkar Lugo (3º classificado do Campeonato de Espanha no escalão de Cadetes, correspondente ao escalão de Sub - 16, e 5º classificado no mesmo campeonato do país vizinho no escalão Alevín, correspondente ao de Sub - 13 do torneio.



Também vinda do país vizinho, uma das equipas em maior ascensão nas competições oficiais (campeão regional, vice - campeão da Galiza e actualmente a disputar o Campeonato de Espanha, em Infantis), o Burela Fútbol Sala Pescados Ruben.



De Portugal, além do ABC, a participação este ano de um dos maiores clubes portugueses, o Boavista FC, equipa com largas tradições na modalidade e inúmeros títulos conquistados nos escalões de formação.


A edição deste ano conta ainda, como novidade, com a inclusão de um torneio triangular de Escolinhas com a participação do ABC de Nelas, Boavista e GC Carregalense.


Este evento acaba por ser mais um motivo de interesse para todos quantos gostam da modalidade, prevendo-se que o Pavilhão possa encher-se de muito mais público jovem.
Estão pois reunidas todas as condições para que este torneio constitua um grande cartaz de propaganda para a modalidade, estimulando, simultaneamente, os mais jovens para a salutar prática desportiva.



O objectivo principal deste torneio radica na intenção de promover a modalidade do Futsal junto das crianças e jovens do concelho de Nelas e do distrito Viseu, incentivando dessa forma o aparecimento de mais praticantes no clube e mais equipas dos escalões de formação nos campeonatos regionais da Associação de Futebol de Viseu, de modo a prolongar o período das competições jovens e, ainda, permitir que mais juventude abrace uma das modalidades que mais tem crescido a nível regional e nacional.